quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

O telhado do Cine Teatro Recreios Benjamin, em Timbaúba, desabou!




O editorial do jornal “A Serra”, que circulou em Timbaúba no dia 17 de maio de 1913, seguia assinado por Jáder de Andrade, um jovem jornalista, político e empresário daquele município, que seria, em poucos meses, nomeado redator do Diário de Pernambuco. Jáder não hesitou nem mediu palavras para anunciar a obra de que a cidade mais necessitaria: “Nesta cidade há, talvez, necessidades igualmente urgentes e imprescindíveis: nenhuma, porém, mais imprescindível e mais urgente do que a necessidade de um teatro, condizendo com o adiantamento do nosso desenvolvimento moral e material”. O Cine Teatro Recreios Benjamin seria inaugurado, sob os seus auspícios financeiros, na tarde do domingo de 05 de março de 1916, com um programa que incluiu um documentário sobre a Guerra Balcânica, o drama “Um Segredo” e uma comédia, do francês Max Linder, “O Enforcado”. Estranhos aos nossos dias, os títulos estavam em plena sintonia com a década de 1910. Os Bálcãs foram o estopim da Primeira Guerra; o romance era a forma clássica da narrativa burguesa; e Max Linder era um grande artista, que Chaplin tributava como seu mestre.

O Cine Teatro seguiu sendo o palco da cidade. Manoel Borba começou ali a sua campanha vitoriosa ao governo estadual; companhias de teatro de diversos estados cruzaram suas coxias; orquestras ocuparam seu proscênio; o seu cinema foi a janela que alargou o horizonte de mais de uma geração. A agitação cultural e política dos anos 20 em Timbaúba tiveram ali o um de seus centros, além dos jornais do lugar. Neste ambiente, nasceram e ganharam o mundo, muitos artistas, professores, políticos e agitadores culturais de artes várias. Era a coroação de uma economia que não dependia da cana de açúcar, que produzia muito algodão, café, frutas, farinha e gado; tudo estimulado pela ferrovia que ligava o Recife a Campina Grande e atravessava a Mata Norte. O Recreios Benjamin integra um conjunto de outros equipamentos construídos em situação semelhante, entre 1910 e 1940: o Polytheama, de Goiana; o Guarani, de Triunfo; o Apolo, em Palmares; o Avenida e o Santa Rosa, em Caruaru; o São José, em Afogados da Ingazeira. 

Na noite passada de 26 de dezembro, o teto do Cine Teatro desabou, culminando uma trajetória de descaso e abandono. Tombado pelo estado em 1983, não foi desapropriado. Seguiu-se um imbróglio em que o prédio não recebia uso pelos proprietários, ao tempo em que governos diziam não investir por ser propriedade privada. Desde então, recebeu apenas intervenções pontuais, como uma reforma no início dos anos 90, em que o palco de madeira foi substituído por um de... cimento. Em 2011, surgiu um movimento de estudantes e professores da rede pública e privada, reivindicando o cuidado e o bom uso do teatro, que resultou em audiência até com o governador. A Fundação de Cultura Jáder de Andrade bateu-se igualmente por esta causa. Seguiram-se diversas promessas, vários gerúndios, e o prédio continuou fechado, à espera de providências que não foram tomadas. Até que, quem sabe, sem suportar mais um natal sem uso, os velhos braços de madeira não suportaram mais e arriaram sob o peso dos dias e a fúria de cupins não combatidos. Resta a esperança de um projeto de restauração contemplando o seu centenário, que virá em 2016, e que os governos e a sociedade possam se aproximar da visão que Jáder possuía sobre a importância da cultura.

3 comentários:

  1. OLÁ...MEU BOA NOITE CLÁUDIO ROBERTO! LAMENTAMOS E ESTAMOS DOS CHOCADOS COM O DESABAMENTO DO TETO DO NOSSO CACARECO, ESSA MISSÃO QUE HÁ DÉCADAS COBRANDO DAS AUTORIDADES CONSTITUÍDAS DESTE MUNICÍPIO E ÓRGÃOS ESTADUAL, CREIO QUE ESSA LUTA É DE TODOS NÓS, POIS O PATRIMÔNIO CULTURAL É CINEQUANON O ÚNICO REFÚGIO VIVO QUE AINDA TEMOS, FAÇO PARTE COMO UM DOS MEMBROS FUNDADORES DA FUNJADER, VEJA AI NOSSA MOVIMENTAÇÃO EM APOIO AO NOSSO CACARECO “ERA UMA VEZ...” da nossa artista plástica dramatizada por Joselma Carneiro na comemoração do 1º ano da Fundação Jader de Andrade, acesse este link:
    http://www.funjader.org.br/index.php/pt-BR/apoiadores/88-sample-data-articles/era-uma-vez/77-era-uma-vez

    Nós Timbaubenses tomamos como exemplo hoje, até as pequenas cidades que preserva sua história como (Tracunhaém, Brejo da Madre de Deus, Passira, Vicência, Lagoa do Carro, Paudalho, Bezerros, e a mais recente Arcoverde com seu cinema Rio Branco etc.), vê-se o cuidado com a história e sua preservação, pois é sabido que as etapas passadas forjaram os dias de hoje, e que, juntamente com o presente, formarão o amanhã, assim como, um povo sem história, nada mais é que um solitário itinerante, um vulto, um nada. Portanto, é de suma importância deixar para que as gerações vindouras saibam o que fomos como vivemos de onde viemos e o que foi feito em prol do país, de Pernambuco, particularmente, de Timbaúba.
    “RESGATAR E PRESERVAR A HISTÓRIA DO NOSSO MUNICÍPIO NÃO É UMA OBRIGAÇÃO, MAS SIM UM DEVER, UM LEGADO DE ZELO E AMOR DA NOSSA HISTÓRIA DOS NOSSOS ANTEPASSADOS, QUE DEIXAREMOS PARA AS OUTRAS GERAÇÕES VINDOURAS SABERMOS O QUE FORMOS E REPRESENTAMOS AO NOSSO MUNICÍPIO DE TIMBAÚBA”.

    "PECAR PELO SILÊNCIO, QUANDO DEVERIA PROTESTAR, TRANSFORMA HOMENS EM COVARDES"
    RBML – SASSÁ O AMIGO DE FÉ! DA RÁDIO<>FOREVER: http://www.radioforever.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Urge que as autoridades, já que os herdeiros do grande Hermes não o fazem, tomem uma providência urgente para salvar o que resta do Cine Recreios Benjamim, pois do jeito que as coisas estão não podem continuar. O que está acontecendo com o nosso "Cacareco" é fruto do descaso total para com uma casa de espetáculo que é um dos maiores patrimônios de nossa terra. Um verdadeiro MONUMENTO à arte e à cultura. O povo timbaubense não foi omisso: gritou, clamou, pediu, rogou, mas seu brado foi uma pregação no deserto, pois que deveria ouvir não ouviu! E o que hoje se observa, é o caos por completo: telhado caindo e prejudicando terceiros e a indiferença por parte de quem de fato e direito deveria preservar o que de mais belo, em se falando dos prédios antigos(que são poucos) existentes em nossa cidade.
    SENHORES...DESCRUZEM OS BRAÇOS E PARTAM PARA UMA AÇÃO URGENTE EM BUSCA DE SALVAR NOSSO CINE RECREIOS BENJAMIM. É DEVER...É OBRIGAÇÃO DO PODER PÚBLICO NESTA HORA!
    Jeová Barboza de Lira Cavalcanti

    ResponderExcluir
  3. Cláudio, estou realizando um trabalho de conclusão de curso de arquitetura em que apresentarei em setembro um projeto de restauração do Cacareco. Se puder me ajudar, preciso de algumas informações. Saberia dizer o que foi alterado em suas reformas?
    Agradeço desde já.
    joanyneres@hotmail.com

    ResponderExcluir